terça-feira, 18 de outubro de 2011

O ESPASMO

Ele me fitou sem fazer estardalhaço. A passos largos e cadenciados, fez com que eu desejasse a mais completa aproximação. Inclinou um pouco a cabeça quando seus olhos pararam, sem espanto ou alarde, nas minhas cicatrizes. Sorriu, sossegado. Ali estava ele. Sereno, puro e transparente, reluzindo fortemente como um clarão que oferece nada além do que apenas sua estonteante beleza. Não pediu nada além de um pouco de zelo. O contorno alvo, imperceptível ao admirar alheio, em contraste com os olhos de um negro profundo lhe conferiam uma palidez venerável. Doce e melancólico, queria me dizer algo mais. Pedia, apenas, para que eu cedesse.
Abraçada fui por uma onda de expectativa e medo, enquanto percebia o mais cálido corpo que ansiava pelo meu, em fome. Senti, de súbito, a emanação violenta que aqueles sussurros eram capazes de me causar. Cada sopro só fez umedecer meus cabelos e esquentar meu sangue, impulsionando a mais asilada das concentrações. O desejo de vibrar o adormecido imiscuía-se à letargia  deliberada que espancava minhas vísceras.
Não podendo mais me conter, renunciei a qualquer hesitação. Pude senti-lo, mãos ansiosas,  respiração difícil. Arfava a cada lampejo de consciência que me acometia. Mas não poderia não poder, não poderia negar o que simplesmente não se pode negar. A parte de mim que havia nele emancipou-se e flutuou, me procurando com olhar de quem sabe o que quero. Realmente sabia,  como queria que não soubesse... Pressionou seu corpo frágil e trêmulo sobre o meu ainda com mais vontade, me engolindo em beijos candentes e usurpando minha vida em sua saliva quase cáustica. Não pediu licença para explorar cada pedaço, não se intimidou com qualquer tentativa débil de reprovação. Sua voz era musical, com falhas causadas pelo desespero incontrolável do desejo... Mas aquela imperfeição a deixava ainda mais convidativa...
No compasso convulso com que seu corpo balançava, a boca se entreabria em agonia aspirada e insuportável. O abalo cada vez mais forte, mais veloz, mais intenso. O cheiro torturante que alimentava o apetite cada vez maior do meu corpo, que se espalhava por sobre aquele em um fluxo perfeito. Então, ansiado, com voracidade jamais experimentada, o espasmo. O espasmo e a luz. E o som. E a luz.

por Bárbara Caldeira

Nenhum comentário:

Postar um comentário